Segundo fonte da Marinha, “este exercício de tiro permite manter os padrões de prontidão operacional dos fuzileiros, com o foco no treino do pelotão anticarro e do pelotão de reconhecimento, garantindo a preparação dos militares que irão estar empenhados em futuras operações, como a missão na Lituânia e em exercícios internacionais.