"A segurança das populações e o desenvolvimento económico dos concelhos não podem ser afetados com estes atrasos", alertou a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), em comunicado enviado à agência Lusa.

Segundo a CIMAL, esta posição foi assumida pelos presidentes das câmaras municipais de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines durante uma reunião com o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

O presidente da CIMAL e autarca de Alcácer do Sal, Vítor Proença, citado no comunicado, realçou a importância dos "investimentos económicos existentes e dos que estão em curso", mas considerou que "apresentam défices enormes, particularmente no que diz respeito aos acessos rodoviário e ferroviários".

Na reunião, adiantou a comunidade intermunicipal, os autarcas pediram "urgência na reparação" do Itinerário Principal (IP) 1 entre Palma e Alcácer do Sal e da estrada nacional (EN) 253 entre Comporta e Alcácer do Sal.

Os presidentes dos cinco municípios também alertaram para "a inevitabilidade de se avançar com os melhoramentos da EN120, no concelho de Odemira, e investimentos na estrada 263 para ligar este concelho à autoestrada".

Sobre os projetos na ferrovia, referiu a CIMAL, os autarcas reforçaram a necessidade de ser retomada a ligação ferroviária de passageiros na Linha Lisboa - Funcheira, com paragem em Alcácer do Sal, Grândola, Ermidas e Odemira, encerrada desde 2012.

Já o ministro, segundo o comunicado da CIMAL, informou que para ligar Sines e Santiago do Cacém à autoestrada 2 está a ser projetada a ligação a Grândola Norte, num horizonte até 2026, e garantiu que vai ser retomado o projeto do IP8 entre Sines e Beja.

Questionado pelos presidentes de câmara sobre a nova linha ferroviária Sines - Grândola, Pedro Nuno Santos indicou que estão a ser projetados melhoramentos no corredor Sines - Santiago do Cacém - Ermidas - Grândola - Alcácer do Sal, acrescentou a CIMAL.


Comente esta notícia


SINES