O pagamento deste montante surge depois da Federação dos Bombeiros do Distrito de Setúbal ter vindo a público denunciar a existência de uma dívida de cerca de meio milhão de euros da ULSLA às corporações da região, relativa a pagamentos de transporte de doentes desde janeiro de 2021.

Esta situação já tinha sido questionada pela deputada do PS eleita por Beja, Telma Guerreiro, na última audição parlamentar regimental com a ministra da Saúde, Marta Temido.

Depois, os deputados do PS eleitos por Setúbal e por Beja questionaram, por escrito, o Governo, através do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, sobre se estava "previsto um reforço orçamental" da ULSLA que possibilitasse "liquidar as dívidas às associações de bombeiros".

Os deputados questionaram ainda António Lacerda Sales sobre se estaria "previsto algum mecanismo de financiamento que assegure sustentabilidade à despesa corrente, nomeadamente a de transporte de doentes, evitando que a dificuldade se repita daqui a alguns meses".

Na questão apresentada no Parlamento, a que o jornal Sudoeste teve acesso, os deputados do PS lembraram que " a pandemia afetou de sobremaneira a região", levando também a que na ULSLA "fosse necessário um esforço suplementar de pessoal e de horas de trabalho quer na prevenção e combate à pandemia, quer na vacinação, que ainda decorre com muito sucesso".

Ainda assim, afirmaram, "é notória a transformação positiva que se tem vindo a verificar em toda a ULSLA, testemunhado pela diminuição de doentes sem médico de família, diminuição de listas de espera em quase todas as especialidades ou pelo aumento da diversidade de carteira de serviços".